Lei VII – O CRONOMETRISTA E O TERCEIRO ÁRBITRO

Março 13, 2009

Deveres

– Deverão ser designados um cronometrista e um terceiro árbitro que se deverão sentar no exterior da superfície de jogo, na direcção da linha de meio-campo, do mesmo lado das zonas de substituições. O cronometrista e o terceiro árbitro deverão estar munidos de um relógio adequado (cronómetro) e do equipamento necessário para a indicação das faltas acumuladas, que deverão ser fornecidos pela federação ou clube em cujo pavilhão o jogo é disputado.

O cronometrista

 • controlará o jogo de forma a que tenha a duração estipulada na Lei 8:

– porá em marcha o relógio (cronómetro) a partir do pontapé de saída;

– parará o relógio (cronómetro) quando a bola estiver fora de jogo;

– reiniciará a cronometragem após um pontapé de linha lateral, um lançamento de baliza, um pontapé de canto, um pontapélivre, um pontapé de grande penalidade, um tempo morto e uma bola ao solo;

• controlará o desconto de um minuto de tempo morto;

• controlará os dois minutos de tempo efectivo de castigo no caso de expulsão de um jogador;

• anunciará, com uma apitadela ou outro sinal acústico diferente do dos árbitros, o fim do primeiro tempo, o final do encontro, o fim dos períodos do prolongamento e o fim dos tempos mortos;

• contabilizará todos os tempos mortos que pertencem a cada equipa, mantendo os árbitros e as equipas informados, e assinalará um tempo morto quando solicitado pelo treinador de uma das equipas (Lei 8).

• contabilizará as cinco primeiras faltas acumuladas por cada uma das equipas em cada parte do jogo, assinaladas pelos árbitros, e fará um sinal quando a quinta falta acumulada for cometida por uma das equipas.

Anúncios

Lei VI – O Segundo Árbitro

Dezembro 17, 2008

Lei VI – O Segundo Árbitro

Será designado um segundo Árbitro, que se deslocará no lado oposto ao do Árbitro.

O segundo árbitro terá as mesmas funções do Árbitro, à excepção das mencionadas na alínea d) da Lei V. Contudo a primeira parte da alínea e) também se aplica ao segundo árbitro, assim temos:

“Ele terá o poder discricionário de interromper o jogo por qualquer infracção às Leis do Jogo.”

Responsabilidades

 

O segundo árbitro assumirá as seguintes responsabilidades:

  • Se o jogo for disputado sem cronometrista, ele deverá controlar o período de 2 (dois) minutos de penalização da equipa por expulsão de um seu jogador

  • Deverá assegurar-se que as substituições são efectuadas de uma forma correcta

  • Assumirá a responsabilidade de controlar 1 (um) minuto de tempo morto.

 

No caso de injustificada ingerência do segundo árbitro, o árbitro deve dispensar os seus serviços e tomar as medidas necessárias para a sua substituição. Do facto dará conhecimento à entidade competente.

O segundo árbitro estará munido de um apito.

Decisões

 

É obrigatória a utilização de um segundo árbitro no caso de jogos internacionais.

 

Dezembro 4, 2008

Lei V – O Árbitro Principal

Será designado um árbitro principal para dirigir cada encontro. A sua autoridade e o exercício dos poderes que lhe são atribuídos pelas Leis do Jogo começam no momento em que entra no recinto onde se encontra o terreno de jogo e acabam quando o tiver abandonado.

No decurso do encontro, o seu direito de punir estende-se às infracções cometidas durante uma suspensão temporária do jogo ou quando a bola está fora de jogo.

Das suas decisões sobre questões de facto ocorridas no decurso da partida não há apelo, mesmo que isso tenha reflexos no resultado do encontro.

Competências e Obrigações

  • Velar pela aplicação das Leis do Jogo

  • Abster-se-á de punir nos casos em que, fazendo-o, julgue favorecer a equipa que haja cometired_carddo a falta

  • Tomará nota das ocorrências que se produzam antes, durante e após o encontro.

  • Desempenhará as funções de cronometrista nos casos de não poder contar com um elemento oficial como cronometrista

  • Utilizará poderes discricionários para interromper o jogo quando se cometam infracções às Leis e para suspender ou fazer terminar a partida sempre que o julgue necessário por motivo de acidentes meteorológicos, intervenção de espectadores ou outras causas. Nestes casos deve apresentar relatório detalhado dos factos à entidade competente, consoante as formalidades e prazos fixados nos Regulamentos da Federação Nacional sob cuja jurisdição o jogo se disputou

  • A partir do momento em que ingressa no terreno de jogo, advertirá todo e qualquer jogador que tenha comportamento incorrecto ou atitude inconveniente e expulsá-lo-á do jogo em caso de reincidência. Nestes casos, deverá comunicar o nome do culpado à entidade competente, consoante as formalidades e prazos estipulados nos regulamentos da Federação Nacional sob cuja jurisdição o jogo se disputou

  • Não permitirá a nenhuma pessoa, além dos jogadores e do árbitro auxiliar, o ingresso no terreno de jogo sem a sua autorização

  • Interromperá o jogo se, em seu entender, um jogador estiver gravemente lesionado, mandando-o transportar, logo que possível, para fora do campo e fazendo recomeçar imediatamente o jogo. Se um jogador estiver ligeiramente lesionado, a partida só será interrompida quando a bola deixar de estar em jogo. Se um jogador estiver capaz de se dirigir até à linha de baliza ou à linha lateral, não poderá ser tratado dentro do terreno de jogo

  • Tomará medidas disciplinares contra todo o jogador que cometa uma falta passível de advertência ou expulsão

  • Decidirá se a bola apresentada para o jogo satisfaz as exigências da Lei II

 

Decisões do International Board

 

  1. Se o árbitro e o segundo árbitro assinalam uma falta simultânea e sobre a qual estão em desacordo, em referência, a qual das equipas pertencerá a bola, a decisão do árbitro é que prevalece.

 

  1. O árbitro e o segundo árbitro poderão advertir ou expulsar, mas, se existir desacordo entre eles, deverá prevalecer a decisão do árbitro.

Lei IV – Equipamento dos Jogadores

Dezembro 4, 2008

equipamento08-091            gd-asset_721242612002152474

 

Lei IV – Equipamento dos Jogadores

Segurança

Nenhum jogador pode usar qualquer objecto perigoso para si ou para os outros jogadores.

Equipamento Base

 

O equipamento de base do jogador compreende:

  • Camisola ou camisa
  • Calções – se o jogador usa calções térmicos, estes devem ser da mesma cor que a cor predominante dos calções
  • Meias
  • Caneleiras
  • Calçado (utilização obrigatória) – sé serão autorizadas alpercatas de pano (lona) ou de couro macio, com sla de borracha ou outro material similar.

Numeração das camisolas

A numeração das camisolas dos jogadores é obrigatória, nas costas, de 1 a 15 e os números devem ser em cor que contraste com as cores das camisolas.

Nas partidas internacionais, a numeração também será colocada na frente das camisolas em tamanho mais pequeno.

Caneleiras

 

As caneleiras devem

  • ser inteiramente cobertas pelas meias
  • devem ser de matéria adequada (caoutchouc, plástico ou matérias similares
  • devem oferecer um grau de protecção apropriado

Equipamento do Guarda-Redes

 

O guarda-redes está autorizado a usar calças compridas. Além disso, deve usar cores que o distingam dos outros jogadores e do árbitro.

Se o guarda-redes trocar de posto com com um seu colega, para além da camisola, terá que trocar as calças por calções curtos, mantendo o mesmo número. O substituto também mantém o seu próprio número na camisola de guarda-redes.

 

Infracções/Sanções

Por qualquer infracção a esta Lei:

  • O jogador faltoso será mandado sair do terreno de jogo para regularizar o seu equipamento e não poderá voltar ao campo sem previamente se apresentar a um dos árbitros, que terá de certificar-se de que o equipamento do jogador está em ordem. O jogador só poderá entrar em campo num momento em que a bola deixe de estar em jogo.

Lei III – Número de Jogadores

Dezembro 2, 2008

futsal-no-feminino

Jogadores

A partida será jogada por duas equipas, compreendendo cada uma o máximo de 5 jogadores, um dos quais será o guarda-redes.

Processo de Substituições

 

Podem ser utilizados substitutos em qualquer encontro jogado de acordo com o Regulamento de uma competição oficial ao nível da F.I.F.A., duma Confederação ou de uma Federação Nacional.

 

O número máximo dos jogadores substitutos é de 7.

  • É autorizado um número indeterminado de substituições
  • Um jogador que tenha sido substituído pode voltar ao campo para substituir outro qualquer jogador.

Uma substituição pode efectuar-se sempre, esteja ou não a bola em jogo. Convém observar as seguintes disposições:

  • O jogador que sai do campo deve sair pela linha lateral, no sector denominado “zona de substituições”
  • O jogador que entra no terreno de jogo deve fazê-lo também pela zona de substituições e unicamente quando o jogador a substituir tiver ultrapassado completamente a linha lateral
  • Um substituto está sujeito à autoridade e jurisdição dos árbitros, quer seja chamado a participar no jogo, quer não
  • A substituição considera-se efectuada no momento em que o substituto penetra no terreno de jogo. Desde então é considerado como jogador, enquanto que aquele que ele vai substituir deixa de o ser.

 

Substituição do Guarda Redes

 

O guarda-redes pode trocar de posto com outro qualquer jogador, mas somente se um dos árbitros for disso previamente informado e desde que a mudança tenha lugar durante uma interrupção do jogo.

 

Infracções/Sanções

No caso de uma substituição, se um suplente penetra no terreno de jogo antes que o jogador substituído tenha saído completamente:

 

  • O jogo será interrompido
  • Um dos árbitros fará sair o jogador a substituir
  • O suplente em causa será advertido
  • O jogo recomeçará com um pontapé livre-indirecto a favor da equipa adversária no local onde a bola se encontrava quando o jogo foi interrompido, salvo se, nesse momento, ela se encontrava no interior da área de grande penalidade. Nesse caso, o pontapé livre-indirecto deverá ser efectuado sobre a linha da área de grande penalidade, no ponto mais próximo do sítio onde a bola se encontrava no momento em que o jogo foi interrompido

 

Se durante uma substituição “volante”, um substituto penetra no terreno de jogo ou um jogador deixa o terreno sem passar pela zona de substituições:

  • O jogo será interrompido
  • O jogador faltoso será advertido com o cartão amarelo
  • O jogo recomeçará com um pontapé-livre indirecto a favor da equipa adversária no local onde a bola se encontrava no momento em que o jogo foi interrompido, salvo se, a mesma se encontrava no interior da área de grande penalidade. Nesse caso, o pontapé livre deverá ser executado sobre a linha da área de grande penalidade, no ponto mais próximo do local onde a bola se encontrava no momento em que o jogo foi interrompido

Decisões do International Board

 

  1. É de 5 o número mínimo de jogadores permitido para poder iniciar um encontro.

 

  1. No caso de expulsões de jogadores, o encontro deverá terminar se, por parte de uma equipa ou de ambas, não houver mais que 2 jogadores no rectângulo.

UEFA Futsal Cup

Novembro 7, 2008

Já é conhecido o calendário da Ronda de Elite da UEFA Futsal Cup, cuja poule em que o Benfica participa se disputará na Luz. Os jogos realizam-se entre os dias 13 e 16 de Novembro no Complexo Desportivo da Luz (Pavilhão n.º 2), sendo que o primeiro classificado terá acesso à Final Four da prova-rainha do futsal europeu.

O Benfica inicia a prova frente aos Israelitas do Hapoel, defrontando, no dia seguinte, o campeão sérvio KMF Ekonomac. No último dia defronta a poderosa equipa do Interviú Madrid.

Calendário de jogos:news-uefafutsalcup0708

13 de Novembro
18 horas: Interviú Madrid – KMF Ekonomac
20h30: S.L. Benfica – Hapoel Ironi Rishon

14 de Novembro
18 horas: Hapoel Ironi Rishon – Interviú Madrid
20h30: S.L. Benfica – KMF Ekonomac

16 de Novembro
15 horas: KMF Ekonomac – Hapoel Ironi Rishon
17h30: Interviú Madrid – S.L. Benfica

Outubro 15, 2008

Lei II – A Bola

Outubro 15, 2008

Lei II – A Bola

Definição e Dimensões

A bola será esférica; o invólucro será de couro ou de outros materiais aprovados. Na sua concepção não pode ser utilizado qualquer material susceptível de constituir perigo para os jogadores.

A circunferência da bola não será superior a 64 nem inferior a 62 cm. No começo do jogo não pesará menos de 400 gramas nem mais de 440 gramas (Bola nº 4).

A sua pressão situa-se entre 0,4 e 0,6 atmosferas (400-600 g/cm2)

 

Substituição da Bola Defeituosa

 

Se a bola rebenta ou se deforma no decurso do jogo:

  • o jogo será interrompido
  • o jogo recomeça, com uma nova bola, por um lançamento de bola ao solo no local em que se encontrava a primeira bola no momento em que se deteriorou.

Se a bola rebenta ou se deforma quando não está em jogo, antes da execução dum pontapé de saída, lançamento de baliza, pontapé de canto, pontapé-livre, pontapé de grande penalidade ou de um pontapé de linha lateral, o jogo recomeça em conformidade.

 

A bola não pode ser trocada durante o jogo, a não ser com autorização do árbitro.

Decisões do International Board

 

Decisão 1

Bolas de feltro não são permitidas em jogos internacionais.

Decisão 2

Nos jogos disputados no quadro das competições da FIFA ou de competições organizadas pelas Confederações, só são autorizadas bolas que possuam uma das designações abaixo indicados:

  • Logotipo oficial “FIFA APPROVED
  • Logotipo oficial “FIFA INSPECTED
  • A referência “INTERNATIONAL MATCHBALL STANDARD

Uma tal designação na bola de futebol indica que esta foi devidamente testada e que está conforme as exigências técnicas especificas definidas para a categoria respectiva (FIFA APPROVED, FIFA INSPECTED e International Matchball Standards / esta última de acordo com as mesmas prescrições técnicas da categoria FIFA INSPECTED) além das exigências técnicas mínimas definidas na Lei II. A bola deve possuir a inscrição adequada indicando que passou com êxito o teste exigido. As exigências suplementares especificas a cada uma das categorias mencionadas deverão ser aprovadas pelo I.F.A. Board.

A FIFA procederá à selecção dos Institutos que efectuam os referidos testes.

As bolas utilizadas em qualquer outro jogo devem estar de acordo com as exigências formuladas na Lei II. As Associações Nacionais ou algumas competições podem exigir a utilização exclusiva de bolas munidas de uma das designações acima indicadas.

Quando largada de uma altura de 2 metros, a bola não poderá saltar mais de 65 cm, nem menos de 50 cm, quando do 1º ressalto.

 

Permite-se a utilização de outro tipo de bolas (nº 5, com menos ressalto, mais peso, etc.). No entanto, em jogos internacionais só poderá ser utilizada a bola descrita na Lei.

Lei 1 – O campo de jogo

Outubro 3, 2008

Dimensões

O terreno será rectangular e em todos os casos o comprimento será sempre superior à largura.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Marcação do Terreno

O campo de jogo será marcado segundo o respectivo gráfico, com linhas visíveis de 5cm de largura mínima e 8 cm de largura máxima. As linhas de limite mais compridas denominam-se linhas laterais e as mais curtas, linhas de baliza.

O campo de jogo é dividido em duas metades pela linha de meio campo. O centro do campo será assinalado com uma marca visível, à volta da qual se traça um círculo com 3 metros de raio.

 

Área de Grande Penalidade

 

Em cada topo do campo, a 6 metros de distância de cada poste da baliza, será traçado um semi-círculo perpendicular à linha de baliza, o qual se prolongará no interior do campo com um raio de 6 metros.

A parte superior deste semi-círculo será uma linha de 3,16 metros de largura, exactamente paralela à linha de baliza entre os dois postes da baliza.

O espaço compreendido no interior deste semi-círculo denomina-se área de grande penalidade.

Marca de Grande Penalidade

 

Sobre uma linha imaginária perpendicular ao meio da linha de baliza entre os postes, e a 6 metros desta linha, será feita de forma visível, uma marca que se denominará marca de grande penalidade.

 

Segunda Marca de Grande Penalidade

Sobre uma linha imaginária, perpendicular ao meio da linha de baliza entre os postes, e a 10 metros desta linha, será feita, de forma visível uma marca que se denominará segunda marca de grande penalidade.

Arco de Círculo de Canto

A partir da intersecção da linha de baliza com a linha lateral será traçado, no interior do campo, um quarto de círculo com um raio de 25 cm.

Zona de Substituições

Sobre a linha lateral do lado em que se encontram os bancos dos substitutos e perpendicularmente a essa linha, traçam-se duas linhas de 80 cm de comprimento (ficando 40 cm dentro do terreno de jogo e 40 cm no exterior), a 5 metros de um lado e do outro da linha de meio campo. É por entre estas duas linhas de 80 cm que os jogadores deverão sair e entrar quando se efectuar uma substituição.

As Balizas

 

A meio da linha de baliza estão colocadas as balizas, constituídas por dois postes verticais espaçados de 3 metros (medida interior) e unidos ao alto por uma barra horizontal, cuja face inferior deve estar a 2 metros do solo.

A largura e espessura dos postes e da barra horizontal não devem exceder os 8 cm. A linha de baliza tem a mesma largura do que os postes e a barra transversal.

 

 Poderão ser aplicadas redes presas às balizas e ao solo por trás da baliza com a condição de serem convenientemente colocadas num suporte de 80 cm na parte superior e no solo de 100 cm, de maneira a não prejudicar o guarda-redes.

A Superfície de Jogo

A superfície de jogo deve ser lisa e desprovida de rugosidades. Recomenda-se a utilização de pavimento em madeira ou material sintético, desaconselhando-se o cimento ou o asfalto.

Decisões do International Board

 

  1. Se o terreno de jogo tiver uma linha de baliza de 15-16 metros, o raio do semi-círculo a que se refere a Lei será de 4m. Neste caso, a marca de grande penalidade deixa de estar na linha que define a área de grande penalidade para ficar a uma distância de 6 metros do ponto central entre os postes da baliza e equidistantes destes.

 

  1. Para os jogos internacionais não é permitida a utilização de campos de relva natural, sintética ou de terra batida.

  1. Pode traçar-se uma marca no exterior da superfície de jogo, a 5 m do vértice da linha de baliza com a linha lateral, perpendicularmente à linha de baliza para materializar a distância a observar pelo adversário quando da execução dum pontapé de canto.

  • Os bancos dos técnicos e suplentes situam-se imediatamente a seguir à zona livre do cronometrista.

Bem vindos =D

Setembro 23, 2008

‘É impossível para um Homem aprender aquilo que ele acha que já sabe.’

Um blog dedicado a quem é apaixonado por uma modalidade que tem vindo a crescer nos últimos anos em Portugal … o FUTSAL .